quarta-feira, 30 de abril de 2014

Festa Anual - 1 de Maio de 2014

Vêm aí o nosso dia...o Dia do Aluno de EMRC da Escola Secundária de Peniche. Esta foi mais uma iniciativa lançada na nossa escola por ocasião do Ano Internacional da Juventude, 1985, decretado pelo Santo João Paulo II...na altura era só por um ano...

quarta-feira, 16 de abril de 2014

...Os Testemunhos continuam a chegar...

"
O que fomos fazer a Fátima? Rezar, rezar e rezar! Foi para rezar pela paz no mundo, pela comunidade escolar e pelas intenções pessoais que um grupo de peregrinos de EMRC da Escola Secundária de Peniche (onde eu me incluo), decidiu tirar quatro dias das suas vidas e partir para Fátima a pé.
A Peregrinação a Fátima a Pé é algo que já faz parte desta disciplina e desta escola, e para mim, a minha passagem por aqui não estaria completa se eu não participasse. Assim, no dia 13 de Março, lá entreguei a minha pré-inscrição aos professores de Moral, e dias mais tarde, o meu nome constava da lista de peregrinos. No dia 8 de abril, um dia antes de partirmos (e dia em que fiz 17 anos), sentimentos de nervosismo, antecipação e entusiasmo tomaram conta de mim, “Tenho a certeza absoluta do que vou fazer?” e “estarei preparada para 100 km?” foram questões que me acompanharam até às 05.00h do dia seguinte. “Como é que vou fazer 100 km em dois dias quando ainda nem começámos a andar e já me sinto cansada?”, foi o que me passou pela cabeça minutos antes de partirmos. E então dissemos adeus aos que ficaram para trás e demos início à caminhada que iria marcar a minha vida e com certeza a de todos os que participaram, e que iria terminar 38 horas depois, quando chegámos ao Santuário de Fátima, momento que irei certamente recordar para sempre.
 É para mim um orgulho poder dizer que fiz 100 km sempre a caminhar, e quando podia, a ajudar os que precisavam. Mas estaria a mentir se não dissesse que sempre pensei que não aguentaria a caminhada inteira, que o carro de apoio iria ser uma recorrente. Porém, a força de vontade falou mais alto. Ao mesmo tempo, estaria a ser egoísta se não afirmasse aqui que, se há razão para ter conseguido chegar a Fátima pelo meu próprio pé, isso deve-se a pessoas fantásticas que não desistiram de mim, e que puseram a sua dor de lado para carregar parte da minha. OBRIGADA!
Os dois dias que passei em Fátima foram de reflexão, partilha, amizade. Às 17.30h do dia 12 de abril, momentos antes de regressar a Peniche, sentimentos de nostalgia tomaram conta de mim, e a certeza de que esta experiência tinha que ser vivida de novo invadiu-me! Eu sei que as dores são muitas e muito fortes, que 100 km a pé não são fáceis, que a carga emocional é intensa, mas também sei que a vida por vezes também não é fácil, e que são as coisas que nos põem à prova que nos tornam pessoas melhores e mais preparadas para enfrentar os obstáculos e adversidades que nos aparecem pelo caminho.
Os nossos professores de Moral propuseram-nos que comprássemos lembranças a quem nos marcou nesta peregrinação. Entreguei muitos cartõezinhos mas também recebi muitos, e não há palavras para descrever o quão bem me sinto por saber que houve gente que precisou de mim e que eu não lhes falhei. Só por isso vale a pena vir a Fátima a pé!
Alguém nos disse que “nós não vimos a Fátima para deixar a nossa cruz ou para a aliviar. Nós vimos a Fátima para arranjar força para a carregar”. E é assim que me sinto, como alguém que caminhou 100 km até e por Maria, e que se sente agora mais forte e capaz de enfrentar e suportar o que o futuro reserva.

Esta XXIXª Peregrinação a Fátima a Pé pode ter terminado, mas alguém também disse que “a verdadeira peregrinação começa agora, quando regressamos…”.
Mariana Silva
11.º CT2

terça-feira, 15 de abril de 2014

...continuam a chegar...Testemunhos de Vida...XXIX.ª Peregrinação...

"Passei quase um mês ansiosa por esta Peregrinação e só pensava que não me iria custar, que iria conseguir fazer os 100 km sem uma única bolha.
Até que chegou o dia 9 de Abril, e por algum motivo senti receio, senti medo talvez do desconhecido, do facto de ter que me confrontar comigo mesma. Ainda assim, estes sentimentos não me impediram de continuar nesta grande aventura, nesta grande loucura como o Prof. Chico disse-nos uma vez.
Durante estes quatro dias passei a dar muito mais valor a uma simples bacia com água, a um abraço, a um incentivo, a uma mão amiga sempre disposta a ajudar. Foram todas estas coisas que me deram a força e a coragem para continuar. Apercebi-me que não estamos sozinhos, estamos todos UNIDOS! E nesta União, em que nos ajudamos mutuamente, acabamos por esquecer as nossas próprias dores para passarmos a sentir as dos outros.
Todas as dores e todas as bolhas foram esquecidas graças ao incentivo e ao apoio daqueles que estiveram sempre presentes durante esta caminhada. Por muito que me custasse tive que ir ao carro de apoio, tinha que ganhar forças para fazer os últimos e extraordinários 6 km desta Peregrinação. Durante o percurso em que estive no carro, posso não ter peregrinado com os pés, mas sem dúvida que peregrinei com o coração!
A chegada a Fátima foi um momento inexplicável… Nunca antes me tinha sentido tão próxima de Deus, e se calhar é por isso, que este momento não se consegue explicar com palavras, apenas se sente. Foi em Fátima, que recebi o melhor abraço de sempre, um abraço repleto de carinho, de amizade, de amor! Nestes quatro dias sei que me fartei de chorar: alguém se sentia mal a rebentar as bolhas, eu chorava, chorava; ia para o carro de apoio, e eu chorava e chorava; relembravam-me os motivos que me levavam a peregrinar, e eu chorava e chorava…
No entanto, no meio de tantas lágrimas, sentia que Ele estava comigo e era também isso que me dava forças para continuar. “Então perguntei a Deus: “Senhor, eu quis viver contigo, e tu prometeste ficar sempre comigo. Porque me deixaste sozinho logo nos momentos mais difíceis?”. Ao que ele respondeu: “Meu filho, sabes que Eu te amo e que nunca te abandonei. Os dias em que viste só umas pegadas na areia são precisamente aqueles em que Eu te levei nos meus braços.”.
Durante os três dias da Peregrinação só pensava: “Eu nunca mais me meto nisto. Esta gente é tonta em fazer 100 km a pé! Para o ano, se vier, venho é como apoio.”. E estava enganada ao pensar isto, pois no último dia em Fátima senti saudades de tudo aquilo que vivi, de todos os momentos, de todas as brincadeiras, de todas as gargalhadas e até de alguns momentos mais tristes. Agora percebo o porquê de os alunos do 12º ano optarem pela Peregrinação em vez de irem para a viagem de finalistas. É uma experiência que nos ensina TANTO e pela qual eu tenho um grande carinho! Assim, para o ano cá estarei, pronta para mais 100 km :D
Obrigada a todos os que me ajudaram, que me apoiaram e que estiveram sempre presentes. Obrigada por me ajudarem a descobrir o verdadeiro significado da Peregrinação e por me relembrarem os motivos que me levavam a peregrinar. Um grande grande obrigada pelos quatro dias mais fantásticos de sempre!"


“A verdadeira Peregrinação começa agora…”
Inês Gabriel   11ºCT2


...XXIX.ª Peregrinação em Palavras...

"A peregrinação foi algo que me marcou mais do que estava à espera. Pensava que ia ser algo que iria ficar na minha memória, que me iria fazer chorar, rir, criar boas lembranças e fazer-me encontrar com Deus, mas não estava à espera de me encontrar com tantas pessoas espetaculares, nem comigo mesma, e esses encontros mudaram-me a vida, para melhor.
           
Sentir o apoio e dar apoio fez com me esquecesse das dores que sentia, do calor, do facto de querer uma casa de banho mais do que tudo, e o sentimento de realização quando cheguei a Fátima trouxe-me um dos momentos mais mágicos e felizes da minha vida. Nunca pensaria num milhão de anos que iria fazer 100 quilómetros sem ir uma única vez ao carro de apoio, nunca pensaria que iria ter mais força quando visse alguém que é meu amigo a sofrer de dores, e muito menos pensaria que teria tanta vontade e prazer de rezar por tanta gente.

            Também nunca dei tanto valor a ligaduras, pensos, sprays, pomadas, massagens, camas, casas de banho, abraços, sorrisos, à minha mãe e a carros (principalmente carros), no entanto foi a caminhada mais fácil que fiz na vida, porque a fiz sempre com Deus a meu lado. Sem dúvida que as pessoas que iam a meu lado facilitaram a caminhada, mas sei que Ele, lá de cima, esteve sempre em cima de mim, aliás, de nós. Deu-nos forças mas também dores, para aprendermos a lidar com os problemas da vida. A partir de agora, irei lidar com a minha vida como lidei com a Serra d’Aire, posso começar sozinha, mas nunca acabar sozinha. O resumo dos 100 km para mim é mesmo: não faz mal estarmos mal, o que faz mal é sermos orgulhosos demais para pedir ajuda quando mais precisamos, é isso que faz de nós pessoas fortes, pois temos a coragem e a força de pedir ajudar e admitir que estamos mal.


            Para o ano irei de novo a Fátima a pé, desta vez não a pensar que vai ser uma caminhada complicada e dolorosa, mas como uma das experiências mais construtivas do mundo."

                                                                                              Ana Catarina Pedreira

                                                                                                                      11ºCT1

segunda-feira, 14 de abril de 2014

...XXIX.ª Peregrinação...em Palavras

"Visto que até à data ainda não partilhei nada enquanto estive na peregrinação, vou abrir o meu coração e dar o meu testemunho enquanto peregrina e desde já agradecer à professora Cristina e ao professor Chico por me darem a oportunidade de participar na XXIX.a peregrinação. Agradecer também à equipa de apoio que foram incasáveis connosco e aos colegas que caminharam comigo.

Foram 4 dias inesquecíveis, a verdade é que nunca pensei que 100km me ensinassem e me marcassem tanto. As dores eram psicológicas, passei a dar valor a pequenas coisas da vida e percebi que consigo viver sem o meu telemóvel e até sou muito feliz sem ele. Criei novas amizades e fortaleci as que já existiam. Pessoas do dia-a-dia com as quais eu me cruzava nos corredores da escola acabaram por marcar a minha vida de uma forma inesperada. Fui ajudada e ajudei, ri e chorei. Posso caracterizar esta peregrinação como uma mistura de sentimentos. Sentimentos que foram vividos com grande intensidade.
A chegada ao Santuário foi um momento único e especial. Todas as pessoas diziam que a chegada ao Santuário era um momento que nunca iria esquecer e hoje tenho a certeza absoluta que nunca o farei.
Agora percebo porque é que a disciplina de EMRC da Escola Secundária de Peniche é tão fascinante, ela dá-nos a possibilidade de viver momentos e emoções que jamais viveria na mesma disciplina e noutra escola.
Voltaria a repetir e a fazer tudo de novo de modo igual já amanhã, se fosse possível. A minha vida mudou e tenho a certeza que sou uma nova Carolina!
A minha peregrinação acabou de começar, um muito obrigado por me terem feito tão feliz e contem comigo na XXX.a!"
Carolina Real

10.º CT1

...Testemunhos do Caminho...XXIX.ª Peregrinação...



"Terminei uma caminhada que não pensei conseguir. Na noite anterior não estava com vontade nenhuma de iniciá-la, de ter que acordar cedo e passar o dia inteiro a andar… Talvez estivesse com medo do desconhecido, com medo de me defrontar comigo própria e de ter que encarar os meus problemas. Mas rapidamente mudei de opinião. Quando vi o sol nascer e a boa disposição do grupo explodir apercebi-me que iam ser quatro dias intensos e bem vividos.
Peregrinar até Fátima com esta Família de EMRC da Escola Secundária de Peniche é uma experiência que guardarei para toda a minha vida. Sinto que precisava mesmo de percorrer um caminho baseado na descoberta da presença viva de Jesus Cristo, a experimentar a inspiração divina do Espírito Santo;
um caminho de vida até Nossa Senhora de Fátima.
A caminhada pode ter sido dura e marcada pela angústia de cada subida, as dores podem ter sido imensas, as lágrimas podem ter escorrido pela cara, mas um sorriso no rosto do outro, cada braço dado para ajudar e cada palavra de força compensaram tudo.
Quando ouvia os meus colegas dizerem que quando ajudavam alguém nem se lembravam que também tinham dores julgava que era tudo uma grande treta. Sim, uma grande treta! Mas agora que também eu experimentei este caminho, acredito que é isso mesmo. De cada vez que estendi um braço a quem precisava não senti mais as minhas dores, não me lembrei mais que os joelhos estavam a fraquejar, a virilha a doer, os tendões dos pés aos puxões. E isto porque sabia que quem caminhava agarrado a mim não o conseguiria fazer se eu não estivesse ali, se eu apenas me estivesse a importar comigo.
Tal como a Peregrinação, a nossa vida é feita de altos e baixos e só com determinação e persistência somos capazes de ultrapassar os obstáculos e atingir os nossos objetivos. É claro que tudo é mais fácil quando temos amigos que nos acompanham e nos ajudam, tal como temos uma equipa de apoio quando peregrinamos.
Foram quatro dias de pura união e familiaridade. Em Fátima aproximei-me de pessoas com quem não tive oportunidade caminhar lado a lado, percebi o porquê das atitudes de algumas pessoas, conheci um lado delas que desconhecia totalmente.
Estou-me a alongar um bocadinho, mas é porque não partilhei nada quando tive oportunidade e queria fazê-lo. Mas algo parecia impedir-me de partilhar. Hoje percebi porquê. Depois de tantas pessoas que deixaram uma marca na minha Peregrinação, uma pessoa muito próxima tinha de deixar uma marca ainda maior. Na chegada a Fátima não tinha lá a minha família, não pôde ir… No último dia, na hora da despedida, em Fátima, perguntei-me o que é que a minha mãe estava a fazer em frente a um microfone a tentar falar para mais de uma centena de pessoas e desatei a chorar quando ela disse o sacrifício que fez por mim. Nunca a tinha abraçado assim. Nunca senti uns braços apertarem-me tanto. Foi o melhor abraço que recebi até hoje. Eu que nem sou muito de "lamechices" desatei a chorar ali, abraçada à minha Mãe.
Das duas intenções mais fortes que levava, as duas foram cumpridas.
Poderei ainda dizer tanto sobre este caminho – Testemunho, Fé, Ousadia, Compromisso, Amor, Entreajuda, Amizade, Partilha, Encontro, Procura - e será sempre pouco! Porque existem momentos nas nossas vidas que as palavras jamais traduzem. Aqui caminha-se com o coração, pois é ele o único que pode entender este caminho que é tão lindo e único, um caminho a ser mais gente!
À parte disto, um grande obrigado a todos os peregrinos, à incansável equipa de apoio (não tive oportunidade de agradecer a toda) e aos professores. Mas sobretudo um grande obrigado àqueles que me deixaram fazer parte da peregrinação deles e àqueles que fizeram parte da minha peregrinação."
Adriana Martins Anjos
12.º Ano

...Testemunhos da XXIX:ª Peregrinação...

"Bem não sei bem como começar o meu testemunho…tenho tanta coisa para dizer, apenas posso dar a certeza que recordarei estes momentos com grande amor e carinho.
Estes quatro dias foram maravilhososamente lindos. Passei a dar valor a pequenas coisas, nunca uma bacia de água fria, um simples sorriso, nunca uma mão estendida, um abraço, um ombro amigo me souberam a TANTO me souberam tão bem...

Para ser sincera, no segundo dia dizia para mim mesma que nunca mais iria voltar a peregrinar. O cansaço, as dores estavam a apoderar-se de mim, nessa altura apenas estava a pensar com a cabeça e não com o coração.

Mas a última noite em que estivemos todos juntos, a noite em que queimámos as nossas intenções mudou e muito a maneira de eu pensar. Vi pessoas muito importantes para mim a sofrer, a chorar e eu ali impotente… tentando ser forte e não chorar, até que não consegui mais “quando já nada nos cabe no coração escorre-nos pelos olhos”, e então chorei, chorei, chorei e sabem que mais? Foi libertador, precisava daquilo há tanto tempo! Foi um dos momentos em que me senti mais apoiada e um dos momentos que recordo com mais carinho, tentaram animar-me, cantaram para mim, abraçaram-me, estenderam me uma mão, um ombro… não consigo explicar...só sei que me senti tão bem :)
A chegada a Fátima momento que muito dificilmente alguém pode esquecer, basta querer que teremos alguém para abraçar! Todas as dores, todos os problemas, TUDO desaparece num abraço apertado.
Foi bom voltarem a repor a tradição da troca de postais, dar um postal a alguém que nos marcou.  Foram muitos a quem eu escrevi e talvez devesse ter escrito a muitos mais. Também os recebi e senti que gostavam de mim, é bom saber que não só me marcaram a mim mas que também eu marquei alguém. Muitas destas frases (e outras) vão ficar gravados no meu coração:
“Rir faz bem à alma, por isso tu fazes-me bem”
“Só sei coisas boas de ti”
“és pequenina de tamanho, mas enorme em coração”
“obrigada pelas massagens, pela companhia”
“minha pequenina, nesta peregrinação foste algo único”
Espero que os autores destas frases não se zanguem por as ter revelado, mas são tão importantes para mim que precisam de ser partilhadas!
Se pudesse ficaria aqui a escrever páginas e páginas sem fim, há coisas que nem palavras e imagens conseguem descrever e explicar.
Obrigado a todos os que me ajudaram nesta caminhada (a amigos que já conhecia e a outros que fiquei a conhecer) cada um me marcou à sua maneira. Um grande obrigado à equipa de apoio e aos professores de moral (professores do meu coração) pois sem eles nunca teria chegado a Fátima e vivido momentos maravilhosos e únicos.
Orgulho-me de pertencer a esta família, à gigante família dos alunos de Moral. Aprendi verdadeiramente o significado da expressão “Aluno de Moral uma vez, Aluno de Moral sempre!!”

Mariana Santulhão

11ºCT2

...Testemunhos...da XXIX.ª...

"Se quero voltar? QUERO! Nem poderia ser de outra forma. A peregrinação marcou a minha vida, não só pelas pessoas, mas também pela luta que cada um deu, por toda a união que todos demonstramos ter. Não houve julgamos, nem preconceitos, nos ajudamos sem pensar duas vezes, sem nos conhecermos. Eu senti-me em cada momento da peregrinação a Fátima a Pé, bastante apoiada, conheci pessoas incríveis e cheguei a Maria com as minhas respostas encontradas! A minha peregrinação, a minha mudança, começou desde o momento em que saí de Fátima para voltar a casa, a verdadeira luta começa agora e agora sim é que cada um irá mostrar o que vale. A peregrinação, não tem palavras, tem sentimentos, tem momentos! E vai ficar para Sempre na minha Memória 
Próximo ano estou lá, sem Falta "

Andreia Ricardo
Aluna do 11.º Ano
Peregrina a Pé

,,,Os Testemunhos da XXIX.ª Peregrinação continuam a chegar...

"Cresci bastante com esta peregrinação, comecei a dar valor a coisas que há uns tempos não dava.

Passei a amar mais, e aprendi a perdoar. Peregrinei com várias intenções, e tenho a certeza que duas consegui concretizar, encontrar a minha fé e aproximar-me de Deus. Um dos momentos mais importantes para mim na peregrinação ou até mesmo na minha vida, foi a chegada ao santuário, foi lá que me senti completa, senti uma felicidade a 100%, porque a verdade é que no nosso dia-a-dia podemos estar felizes mas parece que falta sempre mais alguma coisa. Mas no Santuário todos os problemas desapareceram, não conseguia parar de sorrir, posso até dizer que foi perfeito.
Recebi vários abraços, todos profundos, todos importantes, com pena não dei nenhum á professora Cristina nem ao professor Chico. Dei abraços a pessoas que nunca pensei vir a dar, e esses foram dos melhores.
Voltei a acender a chama de algumas amizades, chorei, sorri, abraçei , rezei, amei, perdoei, encontrei-me, tudo o que é bom na vida fiz ao longo da peregrinação. Tenho a certeza que mudou a minha vida, e agora é que a minha peregrinação começou.
Obrigado por tudo".
Maria André
10ºCE1

...Testemunhos...

"Nem sei como começar, esta experiência deixou-me sem palavras!
Estes 4 dias foram sem dúvida alguma os melhores! Muita gente fica na dúvida do porquê nós, alunos de EMRC da escola secundária de Peniche, sentirmos tanto orgulho em pertencer a esta família, mas eu explico. Só quem passa por aqui é que sabe o quanto é importante para nós fazermos isto juntos, cada um com as suas intenções...mas eu fiz esta caminhada pelas minhas intenções, mas também pelas dos meus colegas, professores, para que cada um consiga ser feliz e consiga ser mais forte do que cada obstáculo que a vida nos proporcione. 
Nestas peregrinação consegui perceber muita coisa, e uma delas foi que com ajuda, com união, com sorrisos, com choros, com persistência, com fé, nós conseguimos tudo aquilo que quisermos, basta acreditarmos!
Quero agradecer a todos os que me ajudaram, sem eles teria sido mais difícil. Quero agradecer muito aos professores, ao apoio por tudo o que fizeram por nós! São os maiores, e dentro de vocês há algo muito especial e eu jamais me esquecerei de todos vós!
As dores eram muitas, mas a alegria e o amor era tanto mas tanto que as dores no meio deste sentimento todo não era nada!

A caminhada começa agora...
XXIXa peregrinação a Fátima a pé, uma experiência para repetir!"
Adriana Santos
Aluna do 11º Ano
Peregrina a Pé

...XXIX.ª Peregrinação...Eles continuam a partilhar...

"Já alguém te disse que gostava de ti hoje?"

 Em 4 dias percebi que gostava ainda mais de cada uma das pessoas que estava na peregrinação, afinal, foram eles que carregaram comigo, que me fizeram rir, que me fizeram chorar, que me deram força, que me deram os melhores abraços do mundo, afinal, foi com eles que caminhei, foram eles que me mostraram que não é qualquer um que faz 100 km para chegar ao colo da Mãe. 
Obrigada a todos os que fizeram parte da peregrinação, obrigada ao apoio, obrigada aos professores, OBRIGADA Família de MORAL!
 Podíamos ser apenas mais uns alunos de E.M.R.C. mas não, somos alunos de E.M.R.C. da Escola Secundária de Peniche, e é óbvio que ter os melhores professores (os professores do nosso coração) e a melhor casa de sempre faz toda a diferença!"

Joana Rosado
Aluna do 10.º Ano
Peregrina a Pé

...XXIX.ª Peregrinação...Testemunhos

"Terminou o que eu pensava nunca começar… 
Uma peregrinação a Fátima a pé.
Peregrinar quatro dias com esta Família da Escola Secundária de Peniche, foi sem dúvida uma experiência que guardarei para toda a minha vida, e a qual recordarei com o maior carinho e amor.

Terminou, não foi a  melhor palavra para iniciar este texto, pois a verdadeira Peregrinação apenas agora começou, a Peregrinação da minha vida.
                Ao longo destes quatro dias percebi que a Felicidade se encontra nos mais pequenos momentos, nos momentos vividos sem serem pensados… Até ao dar uma garrafa de água a algúem.
                Ao fazer parte da Equipa de Apoio, foi-me dada a oportunidade de ajudar os meus colegas, amigos, professores e funcionários. Uma experiência única que guardarei para todo o  sempre como prova da grande união que esta Peregrinação concedeu.

Hoje acredito que “Aluno de Moral uma vez, Aluno de Moral sempre”, e na hora de deixar a Escola Secundária de Peniche e seguir o meu caminho, recordarei cada segundo desta Peregrinação. Sei que levo de cada peregrino um momento que possa recordar, um sorriso, uma dor, um sofrimento. A alegria de chegar a Fátima, ou a angústia de mais uma súbida.
Durante esta Peregrinação percebemos que a nossa vida é feita de altos e baixos, e apenas com a nossa persistência conseguimos ultrapassá-los, sabendo que sempre teremos ao nosso lado uma equipa de apoio que nos pode ajudar a ultrapassar as dificuldades.
               
Não posso deixar de agradecer à Professora Cristina pelos belos momentos partilhados e ao Professor Chico pelos ensinamentos dados durantes estes quatro dias.
                Um grande obrigado à Equipa de Apoio, da qual fiz parte, que foi incansável, unida e fez o melhor para que os peregrinos se sentissem com as melhores condições.


                Viva a Escola Secundária de Peniche! Viva EMRC!"

Paulo Vitorino
Aluno do 12.º Ano
Elemento da Equipa de Apoio

XXIX.ª Peregrinação a Fátima a Pé...versão Testemunhos!


"Nesta altura já chegaram até Maria, e já estão a descansar desta "mega" caminhada. Foi uma caminhada que deu dores, poucas, porque ao vermos uma mão ajuda a ajudarmos o próximo, dá-nos uma força jamais impensável, só mesmo sentida. Ver a luta do companheiro de não desistir, do olhar deste de emoção e gratidão e o seu sorriso sem explicação. Espero que tenham amado a caminhada e que se tenham encontrado com o vosso "eu" e com Maria. Que tenham adorado tal como eu adorei à dois anos.
Ao longo da vida vamos cometendo erros e eu própria cometi muitos, exteriormente desaparecem mas interiormente permanecem e esta grande caminhada faz-nos aliviar. As minhas imensas desculpas ao Prof. Francisco e à Prof. Ana Cristina Marques, por não ter dado o meu máximo à grande disciplina de Moral. São dois guerreiros e sem dúvida "melhores amigos". Por isso aconselho-vos a darem tudo por Moral e aos outros porque MORAL é a disciplina que nos faz de bons samaritanos. O Português, só nos dá vocabulário. A Matemática, só nos ensina a fazer contas. A História só nos fala dos antepassados. Nenhumas destas três nos dão valores morais.
MORAL dá-nos vida, sabedoria, amor e prepara-nos para o futuro. Moral é uma família que jamais vos abandonará. Um grande beijinho"
«Aluno Moral uma vez, Aluno de Moral sempre» 
Manon Santos
Antiga Aluna de EMRC
2012/13

XXIX.ª Peregrinação...versão TESTEMUNHOS

"Pediram-me que fizesse uma avaliação desta peregrinação. Habitualmente as avaliações têm pontos positivos e negativos, como não encontro nenhum negativo vou chamar-lhe mensagem de agradecimento.
Fazer parte desta família (EMRC) é uma sorte-Graça! O caminho até Nossa Senhora mostra-nos sempre coisas e pessoas fantásticas e desta vez não foi excepção. As dores, as bolhas, o cansaço, as alegrias, as emoções levam-nos ao encontro da simplicidade e da pureza da vida, fazem-nos pensar naquilo que é realmente importante para nós. É a fé que nos guia, é a fé que nos leva!
Um muito obrigada a todos os Peregrinos e Apoio que me acompanharam nestes dias e que fizeram de mim uma pessoa mais rica!

A Todos um Bem Haja!"
Da Enfermeira/Professora/Antiga Aluna/Amiga
Maria João Mata

XXIX.ª Peregrinação...versão TESTEMUNHOS

"Ser Aluno de Moral da Escola Secundária de Peniche é querer ser mais "além" . Ser Antigo aluno é perceber que nos "trilhos" da nossa vida nos foram dadas as pessoas que um dia iriam mudar todo o decurso da nossa vida.
"Aluno de moral uma vez , Aluno de moral para sempre ... até na eternidade."
"Professor de moral uma vez, Professor de moral SEMPRE..." nos nossos corações , nas nossas vidas , nas vitórias e derrotas daqueles que um dia , algures num dos corredores da nossa "querida" Escola cruzaram olhares e sentiram que aluno e professor dava uma equação igual a AMOR. 
Obrigado Professor Chico (o meu professor de moral) ,Obrigado Professora Cristina ( a minha amiga e Companheira das horas mais "escuras"). 
A todos os Peregrinos da XXIX um abraço gigante , que a ultima etapa desta caminhada até junto de Maria seja para que cada um perceba no mais intimo de si qual o plano que Deus tem para cada um , com toda a certeza será a FELICIDADE .
Já agora não se esqueçam e sem perder o andamento a XXX é já para o ano. 
Felicidades desta amiga e Antiga Aluna que com muita pena não pode estar convosco mas que reza por vós." 
Célia Nunes 
Presidente do Movimento dos Antigos Alunos de EMRC da ESP

Eles/Elas sem eles...na XXIX.ª Peregrinação a Fátima a Pé


domingo, 13 de abril de 2014

...XXIX.ª Peregrinação...versão TESTEMUNHOS

"Foram 4 dias inesquecíveis! Foram 4 dias de choro, de felicidade, de amizade, de ajuda, de ALEGRIA, de desespero, com uma equipa de apoio EXCELENTE! É impressionante a entre ajuda entre todos ser tão positiva, é lindo! Tantas vezes que disse que não aguentava mais com dores e havia sempre alguém a dar-me força e a dizer não aguentas o que, as dores são psicológicas, de tantas vezes que o disseram, houve momentos que cheguei mesmo a acreditar que era verdade! Eram dores insuportáveis, mas como a professora Ana Cristina Marques dizia 'andar com o coração e não com os pés' , no primeiro dia só me apetecia vir para casa, mas depois percebi que tudo aquilo tinha valido e valeu a pena, porque as dores vão passar, mas estes 4 dias vão ficar na lembrança para o resto da vida, não dá para esquecer, nem quero esquecer! A chegada ao Santuário foi difícil, mas foi concretizada e depois de lá estar saber e pensar que andar acabou e que o objectivo foi alcançado, foi espectacular! Obrigada a todos que estiveram comigo, que me ajudaram e apoiaram!"
Ana Nascimento 10.º CPQ 
(aluna do Curso Profissional à qual foi vedada a possibilidade de ter EMRC)

Agora...é que a Verdadeira XXIX.ª Peregrinação começa...


"Os professores disseram que a peregrinação ia ser algo que ia marcar muito, e marcou sem dúvida. Marcou por fora e muito por dentro! O melhor que já me aconteceu! Um muito obrigada a quem participou, a quem me ajudou, a quem ajudei, a quem rezou por mim."
Ana Silvestre


"Uma das experiências mais bonitas e especiais da minha vida. Neste grupo não faltou união, lágrimas, sorrisos e coragem. Obrigado a todos por esta experiencia única, sempre juntos pessoal!"
Adriana Martins

quarta-feira, 9 de abril de 2014

XXIX.ª Peregrinação a Fátima a Pé

"A todos os peregrinos, desejo uma boa peregrinação.
 Gostaria de congratular também os professores de EMRC pelo esforço e dedicação que têm mostrado ao longo dos anos. São estes os nossos heróis que realizam actividades que encontram gerações. Para quem vai pela primeira vez, guardem bem dentro de vós esta experiência e olhem em vosso redor, sejam a mão amiga pronta a ajudar. Eu e outros antigos alunos estamos a torcer e a rezar por vós! 
Façam o mesmo também por nós. Aluno de Moral uma vez, aluno de Moral para sempre."

Rúben Ferreira (Antigo Aluno) 2010/11

terça-feira, 1 de abril de 2014

Faz hoje precisamente 29 anos que começou a Aventura de peregrinar na ESP

I Peregrinação a Fátima a Pé


«Entre as iniciativas aquela que mais me marcou e emocionou (apesar de se tratar de uma pequeno grupo) foi a Iª Peregrinação a Fátima a Pé. Tão marcante foi que não posso deixar de assinalar aqui alguns dos seus aspectos mais significativos. De facto há anos que sonhávamos com esta aventura e por isso foi com alguma emoção que na madrugada do 1º dia de Abril de 1985 um grupo de 28 rapazes e raparigas finalmente arrancava em direcção ao Santuário de Fátima, apoiados por duas mães e uma carrinha. Foi extraordinariamente difícil e por isso mesmo extraordinariamente bela mas foi sobretudo um testemunho maravilhoso de um grupo de jovens cristãos pelas estradas de Portugal ao encontro com Maria no Santuário de Fátima.
Este o 1º grupo que teve a felicidade de concretizar a Iª Peregrinação a Fátima a Pé, aqui em plena Serra d’ Aire. Cansados mas de rostos sorridentes o grupo descansa um pouco antes de se atirar à parte final da caminhada. De salientar no grupo a presença de alguns antigos alunos que se quiseram associar à nossa peregrinação. Pernoitamos em Alcobaça no velho Mosteiro, depois de uma etapa particularmente difícil. No dia seguinte, de manhã, arrancamos em direcção a Porto Mós, onde almoçámos. Logo após atirámo-nos, para a última etapa que envolvia a difícil Serra d’Aire. E seria já sobre a tardinha do 2º dia de caminhada, quando alguns já desanimavam, que repentinamente, como se de um sonho se tratasse, surgia perante os nossos olhos o Santuário de Fátima. Foi a alegria, a emoção e a comoção em todos nós. Alguns choravam mesmo, outros abraçavam-se, eram as lágrimas e a felicidade, era sobretudo a certeza de se ter vencido… e foi isso que a seguir fomos agradecer aos pés de Nossa Senhora.
Um dos momentos mais altos – a entrada no Santuário. A comoção envolve-nos a todos. A terminar quero deixar aqui o meu próprio testemunho:

-Toda a minha vida está repleta de experiencias belas e maravilhosas mas por ventura terá sido esta a aventura nº 1 da minha vida… e foi isto mesmo que outros me disseram e que eu faço questão de deixar registado “Livro d’ Ouro”.
Professor Francisco Domingos»
in Livro d'Ouro, II vol., ESP, 1985

Aqui está o registo da Iª Peregrinação a Fátima a Pé, há 29 anos atrás começava a nossa história com Maria. 
Lindo, maravilhoso, único...tanto se poderá dizer e será sempre pouco. Porque existem momentos na nossa vida que só no coração se pode entender...

Lembramos que esta Peregrinação surge como resposta a um apelo do Santo Padre (João Paulo II) que em 1985 decretou o Ano Internacional da Juventude...

Aguardamos os vossos comentários e já agora... tentem identificar os primeiros peregrinos.